Fluxo básico para solução de problemas

A maioria dos problemas são simples de resolver.

A maior parte dos problemas tem solução simples. Problemas complicados demais normalmente podem ser divididos em vários problemas menores e mais simples, e a medida que os problemas menores são solucionados, o grande problema vai sendo gradualmente solucionado também.

A maior barreira para a solução de um problema, no entanto, é a natureza humana. Pessoas em geral não gostam de resolver problemas, e preferem que as coisas simplesmente aconteçam da melhor forma possível, como um passo de mágica ou um presente divino. Quando apresentadas a realidade, as pessoas acabam frustrando-se com os problemas e acabam por abandonar seus desejos simplesmente por achar que é difícil demais, ou que o problema simplesmente não tem solução.

Pois saiba que tem. E a solução reside em você próprio.

Acompanhe este simples fluxograma de solução de problemas:

O primeiro passo reside em simplesmente admitir que há um problema. Se você não enxerga o problema, então ele simplesmente não existe. E ai não cabe gastar energia para resolve-lo.

Uma vez que você determinou que há um problema a ser resolvido, chegou a hora de decidir se você realmente quer ver este problema solucionado. Não importa se você próprio vai resolver ou se você vai delegar a solução para outra pessoa: Cabe a você determinar o que vai acontecer – e isso não pode ser delegado.

Esta é provavelmente a etapa mais importante deste processo, pois se você não se compromete com a solução do problema, o problema nunca será resolvido. Talvez, com o tempo e circunstâncias aleatórias que você não pode controlar o problema se resolva sozinho, mas você não pode contar com isso, pois o mais provável é que o problema nunca se resolva. Portanto cabe a você decidir se vai querer tomar a frente da situação e resolver o problema.

A resposta para esta pergunta é binária: SIM ou NÃO. Você QUER ou NÃO QUER? Não é hora de dar desculpas ou de tentar justificar a resposta. É preto-no-branco. E a razão é simples: Se você não quer resolver o problema, então não gaste mais energia com ele. Simplesmente deixe do jeito que está e vá viver a sua vida tentando ignorar o problema.

Supondo que você aceitou resolver o problema, chegou a hora de aplicar seu método para resolve-lo. Você deve gastar energia (talvez até tempo e dinheiro, mas certamente esforço mental) para resolver o problema. Você vai precisar colocar todo seu conhecimento, sua disciplina, sua paciência e perseverança neste problema até que perceba que ele está sendo resolvido, e deve continuar até que o problema esteja totalmente solucionado.

Durante este esforço, você provavelmente irá enfrentar situações de frustração e de angústia, pois você é um humano e é da sua natureza sentir-se abatido frente a problemas de difícil solução. Você deve encarar estas situações como oportunidades de auto-avaliação, avaliação do andamento da solução e avaliação do problema em si. Este é um processo constante, em que você deve se perguntar “Isso que estou fazendo está realmente funcionando?” ou “Será que há algo melhor que eu posso fazer?”

Lembre-se sempre que você OPTOU POR RESOLVER. Portanto desistir não é mais uma opção. A hora de desistir foi lá no início. A esta altura você já empenhou energia demais e abandonar o problema agora vai lhe custar muito mais caro do que custaria logo no começo. A melhor opção é seguir em frente e resolver o problema.

Então chegou a hora de determinar se a sua solução está funcionando ou não. Se estiver, ótimo! Continue fazendo isso até que o problema seja resolvido.

Se não estiver funcionando, chegou a hora de reavaliar seu método. Você provavelmente vai precisar mudar algo, ou pedir ajuda para outras pessoas, ou empregar mais energia no problema. É um ciclo constante. Até que o problema seja resolvido, você poderá precisar empenhar mais recursos do que inicialmente achou que precisaria.

Nesta hora, você deve reavaliar se você ainda quer resolver este problema. Desistir da solução a esta altura será uma decisão cara, afinal você já gastou energia com este problema. Normalmente persistir é a melhor solução, mas há casos em que o retorno da solução é menor do que o custo, e parar de gastar energia com a solução passa a ser a melhor saída.

Se você decidiu que quer resolver o problema, mas não está fazendo nada para isso, então você deve questionar-se sobre as razões para isso. Porque não está fazendo nada? Simplesmente porque não quer? Ou porque algum outro problema lhe impede?
Se a resposta for “outro problema”, então você deve, pelo menos por hora, abandonar o problema principal e passar a trabalhar para resolver este outro problema. Este é o típico caso de um problema grande demais para ser resolvido de uma única vez, e quebra-lo em diversos problemas menores é sempre a melhor opção.

Autor: Daniel Ribeiro

Daniel Ribeiro é um Nerd apaixonado por motos e velocidade. Escreve o Motos Blog, o maior blog sobre Motos do Brasil. Mas como todo Nerd, gosta de acumular conhecimentos profundos sobre todas as áreas que puder. Com isso, acaba tendo interesse em outras áreas, como Aviação, Eletrônica, Mercado Financeiro, entre outros. Então, usa o Outros.net para postar tudo aquilo que não cabe no Motos Blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *