When is the best time to buy Bitcoin?

The best time to buy Bitcoin is “As soon as possible“.

In a few words, the deflationary nature of Bitcoin makes it always tend to incrase it’s value. Therefore, you can buy Bitcoin at any time, and from this moment, the tendency is that it gain more value than it had when you bought it.

Consequently, the sooner you buy Bitcoin, the longer it will be yours, and therefore the more value it will acquire.

Which brings us to the logical conclusion: Every day you wait for Bitcoin to go down in price to be able to buy, it’s a day when it will get even more expensive. If you expect it to get cheaper to buy, it will never buy because it will never get cheap.

O cenário econômico em 2016 …

… ainda deve ser marcado pela apatia e falta de confiança dos consumidores e dos empresários e a freada da economia doméstica.

 

… com a perda do grau de investimento do país e de várias empresas, os juros mais altos, a crise política sem horizontes claros e a depreciação da moeda brasileira criarão um cenário de grande incerteza e dificultarão a tomada de decisões por parte do setor corporativo.

 

… com aumento do desemprego e do endividamento das famílias e das empresas, além de crédito mais restrito, aponta para uma forte retração de vendas. A fórmula antiga de consumo financiado por crédito farto, atualmente, é motivo de preocupação entre a população, as empresas e as instituições financeiras.

 

 

Segundo relatório de “Perspectivas Econômicas Globais”, publicado pelo Bando Mundial no início de 2016, a economia brasileira continuará a encolher neste ano depois de enfrentar forte recessão em 2015. A instituição estima para 2016 uma contração de 2,5% no PIB e, somente nos dois anos seguintes, a economia brasileira se recuperará, com crescimento estimado de 1,4% em 2017 e de 1,5% em 2018.

 

De acordo com o Banco Mundial, dos países do BRICs, somente o Brasil e a Rússia terão recessão este ano. A Índia passou a liderar o crescimento econômico global, com estimativas de expansão de 7,8% em 2016 e 7,9% no biênio 2017/2018. Com a economia em desaceleração, a China caiu para o 2º lugar, com projeção de crescimento de 6,7% em 2016 e 6,5% nos dois anos seguintes. A lenta recuperação dos mercados emergentes terá peso significativo no crescimento global em 2016, cuja estimativa foi revisada de 3,3% para 2,9%.

 

A previsão, no entanto, indica melhora ante os 2,4% projetados para 2015, por causa da recuperação dos países avançados, que começa a surtir efeito e a influenciar a economia do planeta. Por outro lado, fatores externos prejudicam a evolução da economia brasileira, como a elevação do juro básico dos EUA, que tende a subir as taxas de financiamento ao redor do mundo, e o desaquecimento da atividade na China, que impacta negativamente os preços das commodities, que por sua vez enfraquecem as taxas de câmbio de países exportadores de matérias-primas.

 

Ainda maior a queda projetada para 2,95% pelos analistas de mercado para o PIB em 2016, conforme o Relatório Focus, divulgado recentemente pelo Banco Central. A estimativa para a baixa da economia em 2015 foi revista para 3,71%. A projeção para uma inflação (IPCA) em 2015 da ordem de 10,72% e a expectativa para 2016 é de fechamento com alta de 6,87%. Para 2016, o consumo das famílias ainda deve ter queda na casa de 2,0% (após -2,8% estimado para 2015) e queda de investimentos de 9,0% (após -15,0% no ano passado).

 

Como o ritmo em que se encerra o ano é o mesmo com o qual se começa o seguinte, as perspectivas da economia brasileira para o 1º trimestre de 2016 são ainda mais negativas, sinalizando com o agravamento da recessão e a alta da inflação no curto prazo, pressionada pelos aumentos de tarifas e de impostos já autorizados, e pelos fatores inflacionários típicos desta fase inicial do ano, como mensalidades e material escolar, entre outros. No biênio 2015/16, inauguramos um período de forte ajuste recessivo, objetivando a redução da inflação e controle dos déficits fiscal e externo, que por certo trarão consequências desastrosas sobre a taxa de desemprego, redução da renda per capita e da geração de massa salarial, impactando fortemente o consumo, investimento e nível de atividade econômica. Com a expectativa de continuidade na deterioração do mercado de trabalho e a consequente queda na renda, a tendência é que se agrave o cenário de consumo e crédito.

 

Situação ainda mais trágica foi para a indústria, que em setembro de 2015 apresentava uma redução da produção de -10,81%, acumulado em 12 meses, sem perspectiva de curto prazo para retomada de crescimento. Diferente da crise de 2008, na qual a produção industrial caia rapidamente, mas os serviços e o comércio mantinham-se aquecidos, o acumulado em 12 meses para as vendas do varejo em agosto de 2015 apresentava uma redução de -6,9%, sinalizando queda de cerca de 8,0% das vendas em 2015, em consequência da diminuição da massa salarial de 12,2% (-3,7 % de emprego e – 8,8 % de renda até novembro), do crédito difícil e caro e da baixa confiança do consumidor. A taxa de desemprego subiu de 6.8% para 8,7% entre janeiro e agosto de 2015 (dados PNAD/IBGE). O desemprego em 2016 tende a ser ainda pior do que no ano passado.

 

O mercado financeiro também apresentou ajustes das estimativas para o comportamento do câmbio em 2016. De acordo com o Relatório Focus, a mediana das projeções para o dólar passou para R$ 4,21, tendo alguns analistas e instituições financeiras chegado a estimar o enfraquecimento do Real, podendo alcançar entre R$ 4,50 e R$ 5,00 no 2º semestre de 2016.  O único indicador positivo refere-se ao setor externo, devido mais à recessão interna e ao seu impacto sobre as importações, do que ao incremento das exportações, apesar da forte desvalorização cambial.

 

O Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a taxa básica de juros Selic em 2015 para 14,25% ao ano. Na reunião do Copom deste mês, as instituições financeiras esperam que a Selic suba para 14,75% ao ano. Ao fim de 2016, a projeção para a Selic é de 15,25% ao ano. Segundo analistas, o aumento da Selic por outro lado poderá provocar aprofundamento da recessão e o agravamento da situação fiscal, podendo causar pouco efeito na trajetória da inflação, com inflação ainda alta até meados de 2017 e pressão sobre o mercado de trabalho até o final de 2018.

 

O Poder Executivo começou o ano anunciando alguns programas para tentar reativar a economia, como aumento e flexibilização do crédito pelos bancos públicos, o que poderá dar algum alento ao setor, mas cujos efeitos dependerão de outras variáveis, tais como: a disponibilidade real de volume suficiente no orçamento para execução desses programas, a confiança dos empresários e dos consumidores, e a instabilidade política.  Caso a crise política continue se arrastando, o Brasil terá mais um ano de recessão bastante forte, com alguma possível queda da taxa de inflação, transferindo as esperanças de uma potencial estabilização e posterior recuperação do crescimento somente a partir de 2017, mas com indicadores bem acanhados. Além disso, são poucas as iniciativas reais de contenção dos gastos públicos e exígua, politicamente, as chances de conduzirem reformas estruturais que tanto o país necessita.

Portanto, apertem os cintos … para sobreviver a 2016.